Coletivo Tralha 2018

ANDERSON REI  (Guarulhos, SP – 1976)

Artista Visual e educador, graduado pela ECA USP com mestrado em Poéticas Visuais pela mesma instituição, com linha de pesquisa em processos gráficos e intervenção urbana, permacultor formado  pelo IPEC (Instituto de Permacultura do Cerrado) propõe formatos colaborativos e sustentáveis de produção artística. Integrou o coletivo Espaço Coringa, entre 1999 e 2009 e realizou através desta iniciativa projetos artísticos de intervenção e interação urbana em espaços públicos e instituições culturais. Fundou em 2004 a AJA ARTES VISUAIS, associação cultural gerida por artistas visuais e educadores (www.ajaartesvisuais.wordpress.com), criada com o intuito de desenvolver ações cooperativas e construção de conhecimento comum através do fazer e da reflexão artística. Mantêm um ateliê coletivo, e promove em projetos artísticos e educativos a formação, a difusão e a produção das Artes Visuais. Desde 2009 atua no COLETIVO TRALHA.

Participou de mais de 50 exposições e ações coletivas, entre elas: os projetos Aberto - comemoração dos 60 anos do SESC e da PUC SP, um programa de ações coletivas, ciclo de palestras e publicação entre artistas brasileiros, franceses e suíços;  Superpose no Centre de Difusion Presse Papier em Trois Riviere, Quebec, Canadá; Sopa de palavras - Centro de Arte Contemporáneo Wifredo Lam - Havana, Cuba ; Modulações no Paço das Artes / SP; 10 X 1 - Galeria Virgílio/SP e Campo Coletivo no Centro Universitário Maria Antônia.

Como educador, abordou a questão da imagem reprodutiva e interfaces com a linguagem videográfica, além de ministrar o curso “Experimentos em Foto e Vídeo” no colégio Santa Cruz, onde também atua como professor de arte no Ensino Médio, nas disciplinas “Expressão em Multimídia” e “Entre o Desenho e a Imagem Gráfica”. Também atuou como coordenador e formador no projeto “Embu com Arte”, ação educativa para a difusão do ensino de artes visuais na rede pública da cidade de Embu das Artes, em São Paulo, coordenou entre 2010 e 2014 o departamento de Arte do Instituto Sidarta, onde lecionou no Ensino Fundamental e Médio. 

MATHEUS GIAVAROTTI (São Paulo, SP – 1976)

Artista visual e educador. Como criador de imagens, desenvolve pesquisa em desenho, pintura e vídeo. Colaborativamente produz instalações e intervenções no espaço público que interagem diferentes saberes e mídias e provocam deslocamentos no entendimento da relação público-obra-artista.

Participou de exposições coletivas em São Paulo, Porto Alegre, Campinas e Santos e de mostras de artes no Sesc e eventos culturais como a Virada Cultural (2006 e 2011). Realizou residência artística no CED - Centro de estudos de dança (2012) e em Havana, Cuba, onde expôs seu trabalho no Centro de Arte Contemporânea Wilfredo Lam.

Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP onde realizou pesquisa sobre processos criativos coletivos, graduou-se em Licenciatura em Educação Artística pela FAAP em 1998. 

Atuou em escolas de educação infantil e ONG’s como arte-educador. Coordenou o curso de Licenciatura em Artes Visuais na Unicastelo, onde participou da formulação do projeto pedagógico do curso e ministrou as disciplinas de Instrumentos e Técnicas de Pintura, Pintura e Expressão e Linguagens Contemporâneas. Realiza oficinas livres em centros culturais e unidades do Sesc. Leciona no ensino fundamental como professor especialista de Artes Visuais.

Fundou e integrou o Espaço Coringa, grupo que propôs a construção de um saber artístico e de um discurso crítico através de vivências coletivas em arte. Foi associado fundador e diretor da AJA_artes visuais, onde participou e coordenou projetos de arte e cultura. Atua na Associação Jatobá com projetos de arte e educação ambiental em São José dos Campos no distrito de São Francisco Xavier.